Controle de Processos

Acesso restrito aos clientes e colaboradores da Tannus Sociedade de Advogados. Acompanhamento em tempo real do andamento processual.

Informativos

Cadastre seu e-mail para receber informativos da Tannus Sociedade de Advogados

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
24ºC
Min
12ºC
Predomínio de

NOTÍCIAS

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Projetos buscam combater a homofobia no Estado

O Dia Internacional Contra a Homofobia é celebrado em 17 de maio, data na qual a homossexualidade deixou de ser considerada uma doença psicológica pela Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1990. Em São Paulo, a prática da homofobia é crime desde 2001, conforme a Lei 10.948/2001, originada do Projeto de Lei 667/2000 do ex-deputado Renato Simões. De acordo com ela, configuram homofobia os atos de agressão física ou psicológica e o impedimento de acesso a direitos garantidos na Constituição ou a locais públicos ou privados baseado em discriminações contra homossexuais, bissexuais e transgêneros. Além da lei estadual, tramitam na Alesp outros projetos de lei como o PL 1.611/2015, do deputado Edmir Chedid (DEM), que institui a Carteira de Identificação de Nome Social (CINS) no Estado. Segundo o texto: "entende-se por nome social aquele pelo qual as pessoas travestis e transexuais se reconhecem, bem como são identificadas por sua comunidade e meio social". Com relação à violência contra minorias, os PLs 264/2016, de Raul Marcelo (PSOL), e 218/2008, da ex-deputada Maria Lúcia Prandi (PT), dispõem sobre formas de registro e de pulgação dos dados de violência contra crianças, idosos, negros, mulheres, índios, homoafetivos e pessoas com deficiências no Estado. Sobre políticas públicas voltadas à população LGBT, o deputado Carlos Giannazi (PSOL) propõe a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado (PL 173/2015). Outra iniciativa nesse sentido é o PL 193/2010, do ex-deputado e atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Ele cria o Fundo Estadual de Combate à Homofobia (FECH) para prestar apoio financeiro a projetos voltados ao enfrentamento à homofobia e à promoção da cidadania LGBT. Além disso, serão apoiados projetos específicos relacionados a manifestações culturais e educacionais da persidade sexual, apresentados por pessoas físicas ou jurídicas de direito privado e por órgãos públicos das administrações municipais e estadual. Esses e outros projetos relaciona­dos ao tema podem ser acompanhados pelo ende­reço www.al.sp.gov.br/alesp/pesquisa-proposicoes.
16/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  771136
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia