Controle de Processos

Acesso restrito aos clientes e colaboradores da Tannus Sociedade de Advogados. Acompanhamento em tempo real do andamento processual.

Informativos

Cadastre seu e-mail para receber informativos da Tannus Sociedade de Advogados

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

NOTÍCIAS

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Presidente da AMPB recebe representantes da OAB-CG

A presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba, juíza Maria Aparecida Sarmento Gadelha, recebeu, na manhã desta sexta-feira (9 de fevereiro), os advogados Jairo de Oliveira e Orlando Virgínio, representantes da Ordem dos Advogados – Seccional Paraíba (subseção Campina Grande). Na oportunidade, eles se certificaram de lutas comuns às duas categorias e decidiram unir forças em busca de melhorias para o Poder Judiciário. “Eu acredito e defendo que este é o caminho correto, as duas instituições devem ter um diálogo aberto. Não tem utilidade e nem avanço algum uma Entidade ficar acusando a outra, o que simplesmente não leva a nada, não construirá nada”, verificou a presidente da AMPB. “Unindo interesses temos condições de resolver o problema do Judiciário como um todo, evitando transtornos tanto para a advocacia quanto para a magistratura”, completou. Para a magistrada, a AMPB e a OAB-PB devem buscar ações concretas, sabendo que as melhorias beneficiarão a todos. Ela agradeceu a visita e a abertura ao diálogo, declarando que a magistratura está disposta sim a agir em conjunto e sempre esperou este posicionamento da OAB-PB. “A Ordem precisa tomar conhecimento do que realmente está acontecendo com o Poder Judiciário, sofremos de problemas endêmicos que precisamos encarar. Devemos deixar de apontar culpados e buscar soluções”, afirmou. Aparecida Gadelha declarou ainda que sua gestão carrega duas preocupações, uma delas é de como o Tribunal de Justiça utiliza o seu orçamento e outra é com o valor do orçamento que chega para o Judiciário. “O Governo do Estado não pode simplesmente ferir a autonomia administrativo e financeira do Poder Judiciário. Não podemos aceitar, por exemplo, que o Governo aumente em 11 milhões o orçamento da Secretaria de Comunicação, ao mesmo tempo em que deixa de recompor o orçamento do Poder Judiciário”, explicou a juíza. “Nós não aceitamos. Enquanto tivermos legitimidade para trabalhar sobre isso nós vamos lutar. Por isso entramos com uma ADI, para que o orçamento de 2018 receba um acréscimo de 3%, o que equivale ao IPCA de 2017. Se obtivermos êxito nessa ação nosso compromisso será de fiscalizar o TJPB para saber como ele vai gerir este recurso, para que invista onde deve investir”, disse a presidente da AMPB aos representantes da OAB. O advogado Jairo de Oliveira prestou solidariedade à luta da magistratura e disse que pretende se acostar aos interesses da AMPB, tendo em vista o interesse comum em melhorar a prestação de serviços do Judiciário.
Visitas no site:  898434
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia