Controle de Processos

Acesso restrito aos clientes e colaboradores da Tannus Sociedade de Advogados. Acompanhamento em tempo real do andamento processual.

Informativos

Cadastre seu e-mail para receber informativos da Tannus Sociedade de Advogados

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . .
Dow Jone ... % . . . . .
Espanha 0% . . . . .
França 0,43% . . . . .
Japão 1,86% . . . . .
NASDAQ 0,02% . . . . .
S&P 500 0,31% . . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
29ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

NOTÍCIAS

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Médico acusado de assédio sexual em Goiânia pode ter cometido crimes desde 1994

A juíza Placidina Pires , da 10ª Vara Criminal da comarca de Goiânia, recebeu, na sexta-feira (9), denúncia oferecida pelo Ministério Público contra o médico de 58 anos, que atendia na especialidade de ginecologista no Hospital São Lucas, em Goiânia. Ele é acusado pelo crime de estupro (artigo 213 do Código Penal) praticado contra três vítimas e de violação sexual mediante fraude contra outras outras cinco pacientes, segundo artigo 215 do Código Penal. Até o momento, os relatos de abuso recebidos pelo Ministério Público aconteceram entre 1994 e janeiro de 2018. Além dos crimes contra a dignidade sexual, o acusado também foi denunciado por cometer falsidade ideológica, pois na Delegacia de Polícia ele relatou ser ginecologista inscrito na Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstrétrica, especialidade que o acusado não possui, conforme atestado pelo Conselho Regional de Medicina. Ainda de acordo com o relatório do Ministério Público, as supostas práticas de assédio sexual somente foram denunciadas após uma das vítimas do médico ter procurado a 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (1ª DEAM) e ter relatado o crime cometido contra ela. Depois da difusão dessa denúncia feita pela imprensa local outras pacientes também se dirigiram a 1ª DEAM relatando abusos de natureza parecida cometidos pelo médico. O documento do MPGO traz também a informação que várias vítimas compareceram perante à Delegacia Estadual de Atendimento a Mulher, porém esses casos não foram denunciados pelo órgão ministerial em razão de terem se passado mais de seis meses desde a data dos supostos abusos, "de modo que, em relação a esses crimes, operou-se a decadência." As práticas de assédio do acusado costumavam ter o mesmo padrão. As vítimas relataram que, já deitadas no leito do consultório médico em posição vulnerável e cobertas por uma camisola, o médico introduzia o dedo em suas genitais e cometia os abusos, além de ofender as vítimas verbalmente.Tweet
14/02/2018 (00:00)
Visitas no site:  584416
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia