Controle de Processos

Acesso restrito aos clientes e colaboradores da Tannus Sociedade de Advogados. Acompanhamento em tempo real do andamento processual.

Informativos

Cadastre seu e-mail para receber informativos da Tannus Sociedade de Advogados

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Campinas, SP

Máx
26ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

NOTÍCIAS

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Liminar suspende requisições administrativas publicadas pelo município de Palmas

A Justiça suspendeu por meio de liminar, no sábado (14/04), requisições administrativas publicadas pelo município de Palmas que solicitavam médicos para realização de serviços pelo SUS. A decisão é do juiz Roniclay Alves de Morais, da 4ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas. Conforme consta na ação ordinária e declaratória de nulidade de ato administrativo, a Prefeitura de Palmas, por meio de requisições administrativas publicadas no Diário Oficial do município no dia 23 de março, determinou o atendimento de algumas especialidades médicas por empresas e profissionais autônomos, com a indenização posterior pelo atendimento. Contudo, segundo ponderou na decisão o juiz Roniclay Alves de Morais, o Município utilizou de um recurso que, de acordo com a Constituição Federal, só pode ser usado no caso de iminente perigo público. "Trata-se, portanto, de modalidade de intervenção estatal por meio da qual, em situação de perigo público iminente, de calamidade pública ou de irrupção de epidemias, o Estado utiliza bens móveis, imóveis ou serviços particulares, mediante indenização ulterior, se houver dano, para satisfazer necessidades coletivas, urgentes e transitórias", frisou. No caso em questão, conforme o magistrado, "o perigo de dano iminente, requisito essencial para viabilizar a requisição administrativa, não resta devidamente comprovado nos autos" e "caso as requisições administrativas não sejam suspensas nesta fase processual, possivelmente os autores terão prejuízos físicos, psicológicos e financeiros vez que terão um aumento significativo de carga horária para cumprimento da requisição, sem prejuízo dos serviços já prestados, na esfera estadual e privada", avaliou. Ao julgar procedente o pedido de liminar, o magistrado suspendeu os efeitos das requisições administrativas publicadas pelo Município e deu prazo de 24 horas, a partir da notificação da parte, para cumprimento da medida. Confira aqui a decisão.
17/04/2018 (00:00)
Visitas no site:  606694
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia